Análise do jornal Correio da Manhã


Correio da Manhã

Capa da versão impressa do Correio da Manhã (Photo credit: Wikipedia)

O jornal português Correio da Manhã é um jornal que pode ser entendido como “popular”: com predominância de notícias “hard news” e temas mais voltados ao cotidiano da população. A versão impressa do jornal é feita em formato tabloide, formato este que na Europa é vinculado a jornais sensacionalistas, frequentemente contendo algum conteúdo picante. Nota-se também que o jornal faz uso do modelo clássico de portais: notícias julgadas importantes no topo da página, acompanhadas de fotos grandes; seguidas na parte de baixo por pequenas apresentações de manchetes das editorias. Pelo widget com as últimas publicações e fazendo uma comparação com outros portais semelhantes, como o Diário de Notícias, percebe-se que há uma frequência razoável de publicações.

Sendo um jornal que se apresenta como de interesse geral, a estratégia faz sentido, mas não deixa de ser conservadora. Em um meio em que os novos grandes nomes são redes de blogs especializados como Gawker Media, manter os esquemas de interesse geral faz parecer que o jornal quer manter o público cativo. A ênfase em reforçar nos leitores a leitura da versão impressa dá mais base a esta conclusão.

Então é de se esperar que os pontos futuros da análise apontem para o conservadorismo? A resposta é sim. No site o uso de multimídia é lugar comum, comparado a outros jornais: fotos profissionais ilustram matérias, vídeos não produzidos pelo próprio veículo são expostos a título de entretenimento e infográficos apenas razoáveis completam a paleta de mídia. Não há suporte há apresentações do tipo Slideshare (nem proprietárias nem externas) e não há produção própria de vídeos. Percebe-se também que o departamento de arte não é dos mais competentes.

O conservadorismo persiste nas capacidades de interação. Lugar comum entre grandes e pequenos webjornais, os meios de interação com a equipe do site são os comentários nas notícias e através de formulário de e-mail. As mídias sociais exibidas no site são apenas Twitter e Facebook, não havendo sequer uma lista dos perfis profissionais dos jornalistas. E não foi detectada interação com os seguidores nestes sites.

Mídias sociais que são usadas de maneira pobre. Os perfis do jornal tanto no Facebook quanto no Twitter são de noticiação geral. Não existem perfis específicos para as editorias, para um melhor tratamento dos tópicos e personalização de notícias.

Também não há nenhuma espécie de associação hipertextual para construção das notícias. Não existem dentro dos textos das notícias links para relatorias de agencias reguladoras nem outros sites noticiosos. Uma prática comum na TV evita citar marcas ou veículos terceiros para evitar fazer propaganda não proposital. É de se especular se não há uma continuidade desta prática da mídia de massa no site do Correio da Manhã.

Percebe-se então que o Correio da Manhã é um site “perfeitamente razoável”.  A ironia aparece quando se percebe que são justamente os sites razoáveis que estão enfrentando situação periclitante para sobreviver. Como dito antes, atores inovadores como Gawker Media e Huffington Post inovaram ao trazer para sua metodologia de criação uma rede de autores externos ao veículo e ao tornar os comentaristas construtores secundários do conteúdo.

Atentando ao que aconteceu com os veículos de imprensa na Europa e nos EUA que não inovaram antes que viessem à bancarrota, pode-se especular um futuro ruim para o site do Correio da Manhã.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s